A coxartrose, artrose de quadril ou coxofemoral é uma alteração derivada do desgaste da cartilagem articular nesta região. No local, ocorre uma desorganização da matriz de colágeno e consequente diminuição dos proteoglicanos, que têm um efeito condroprotetor.

Imagem ilustrativa de articulação do quadril saudável, à esquerda, e com processo de coxartrose, à direita

Opa, como assim efeito condroprotetor?

É isso mesmo. Devemos nos lembrar que o prefixo “condro” nos remete a cartilagem, logo, o efeito condroprotetor seria um efeito protetor da cartilagem articular da articulação do quadril ou coxofemoral.  

Desta forma, podemos observar que os proteoglicanos atuam atraindo água por efeito de osmose para o seu interior. 

Como consequência da redução do efeito osmótico dos proteoglicanos, o conteúdo hídrico da cartilagem é reduzido, assim como a sua espessura, o que leva, consequentemente a uma diminuição do espaço intra-articular, tendência a aumento de atrito entre as extremidades ósseas durante o movimento, ocorrendo, desta forma, o processo de osteoartrose.

Para termos uma noção de dados epidemiológicos e incidência desta lesão bem como da sua importância,  podemos afirmar que, juntamente com a artrose do joelho, também conhecida como gonartrose, a coxartrose está entre as artroses ou processos degenerativos mais frequentes do organismo. 

Ela atinge de 10 a 20% da população acima dos 60 anos, tendo maior incidência nos homens até aos 45 anos e nas mulheres após esta idade.

Agora, se liga nessa dica?

Nem sempre as artroses estão relacionadas somente ao quadril, joelho e lombar, devido a sua posição no corpo e sobrecarga que recebem. 

Ilustração de processo de artrose nas articulações interfalangianas

Elas, muitas vezes, podem também aparecer em outras articulações, como as interfalangianas (nos dedos), metacarpo-falangianas (na transição entre o osso da mão e a falange proximal), na articulação trapeziometacarpianas (ou rizartrose, como a do polegar) e coluna cervical, condicionando, desta forma, para além de dor, também incapacidade funcional nos pacientes acometidos. .

Mas quanto a sua prevalência, ela é frequentemente mais bilateral ou unilateral?

Você saberia me responder e fazer as correlações clínicas com as causas?

A coxartrose bilateral, com o acometimento das duas articulações coxofemorais, é muito frequente, especialmente quando se trata de coxartrose primária bilateral. 

Como assim? Já conseguiu fazer a correlação?

Então, as coxartroses primárias são derivadas de sobrecarga articular que gera o desgaste. Desta forma, a origem da lesão ocorre direto nas articulações e não são secundárias a outros processos de compensação ou traumas. 

Ilustração de gonartrose

Sendo assim, como o peso é distribuído similarmente entre os dois quadris, a presença de coxartrose primária tem manifestações clínicas quase sempre bilaterais.

O acometimento unilateral está, quase sempre, associado com coxartrose secundária, em especial aquela que resulta de causas traumáticas ou por lesões esportivas, quando um atleta utiliza muito mais um lado do que o outro, sobrecarregando uma das articulações.

Coxartrose em quadril direito

A imagem ilustra a degeneração articular da articulação coxofemoral direita, o que chamamos de coxartrose, artrose de quadril ou osteoartrite de quadril. São todos sinônimos.

Isso é o que acontece com mais frequência no tênis, onde se trabalha muita mobilidade e giro de quadril. 

Correlação clínica:

Vocês se lembram do nosso tenista brasileiro Gustavo Kuerten, o Guga?  Então, ele se aposentou precocemente, no auge da carreira, com um quadro de coxartrose unilateral. 

Normalmente não existe um predomínio de coxartrose esquerda ou direita, podendo, por isso, ser igualmente afetados ambos os lados. Nesses casos de coxartrose secundárias, unilaterais, o que determina o lado é o trauma, quando de origem traumática, ou a predominância lateral da pessoa, no caso de atletas ou lesões relacionadas ao esporte.

Coxartrose ou artrose de quadril: Principais causas

A coxartrose primária é aquela que não tem causa aparente, ou seja, é a considerada idiopática Porém, como vimos anteriormente, para que haja o desgaste e degeneração da articulação deve haver sobrecarga ou alguma má forçação osteomioarticular que predisponha a mesma.  

Em contrapartida, podemos ter as coxartroses unilaterais, secundárias e que apresentam como principais causas, por exemplo:

  • Traumática (fraturas e luxações);
  • Conflito femuro-acetabular e displasia do quadril;
  • Necrose avascular da cabeça femoral (normalmente associada a lesão do ligamento redondo da cabeça do fêmur, por onde passa a inervação e nutrição da cabeça e colo femorais);
  • Sequelas de luxação congênita de quadril e também a doença de  Legg-Calvé-Perthes, também conhecida simplesmente como doença de Perthes na infância;
RX ilustrando doença de  Legg-Calvé-Perthes
  • Doenças reumatológicas e infecciosas.

E quais são os fatores de risco para o desenvolvimento da coxartrose ou artrose de quadril, você conhece?

Então, um dos fatores de risco mais importantes, e que deverá ser controlado, é o excesso de peso, como mencionado anteriormente. Na mesma linha temos como fator de risco o estilo de vida sedentário. 

Em contrapartida, um excesso de utilização, como acontece em alguns atletas de alto rendimento, também pode levar a um desgaste articular precoce, e não só do quadril, mas vemos o mesmo frequentemente nos joelhos (gonartrose) e na lombar.

Posteriormente, ainda podemos elencar os distúrbios circulatórios, os hormonais e os metabólicos, que também podem ser fatores desencadeantes e de predisposição e devem receber atenção por parte dos profissionais de saúde que acompanham esse indivíduo.

Em suma, embora a coxartrose não seja geneticamente transmissível, parece haver uma incidência aumentada de artroses em determinadas famílias.

E quanto aos sintomas da coxartrose ou artrose de quadril, você seria capaz de identificar e correlacionar?

Como se trata de uma doença ou alteração degenerativa articular, da mesma forma que outras artroses,  coxartrose  pode dar origem aos seguintes sintomas, por exemplo:

  • Dor no quadril, de carácter mecânico, isto é, que agrava com os movimentos, por vezes com irradiação para a região da virilha, coxa ou joelho;
  • Crepitação, rigidez articular e limitação da amplitude de movimentos;
  • Claudicação durante a marcha, o que obriga, muitas vezes, a utilização de órteses;
  • Atrofia muscular por desuso (neste caso, está mais relacionado à idade avançada ou a pacientes que passaram por longo tempo acamado);
  • Redução progressiva do perímetro de marcha sem dor.

Na coxartrose bilateral, os sintomas levam a uma incapacidade funcional mais marcante, podendo interferir até mesmo na capacidade do indivíduo de realizar sua higiene pessoal e atividades da vida diária.

Vamos falar um pouco do diagnóstico da coxartrose ou artrose de quadril então?

Essa lesão geralmente têm um fácil diagnóstico, pois a clínica é muito característica e uma simples radiografia pode fazer a sua confirmação.

Por vezes, pode ser solicitado um RX de quadril com carga e um perfil. Nestes exames, o quadril afetado pela coxartrose apresenta:

-> redução da interlinha articular;

-> presença de esclerose subcondral;

→ presença de osteófitos. 

Rx de paciente com coxartrose ou artrose de quadril

Observe que no RX podemos notar todas as características fundamentais para o diagnóstico da artrose coxofemoral, que são a redução da linha articular (no caso desse RX já é ausente, havendo contato direto entre as extremidades ósseas), esclerose subcondral e presença de osteófitos.

Já em casos mais avançados, a cabeça femoral poderá perder a sua característica esférica normal e apresentar deformidades, o que aumenta ainda mais o atrito com o acetábulo, agravando os sintomas.

Agora, se liga nessa dica:

Na dúvida ou quando é necessário determinar com maior rigor o grau de atingimento e de degeneração da cartilagem articular, um exame de tomografia computadorizada ou uma ressonância magnética podem ser solicitados como exames complementares, mas não é comum.

E você sabe como determinar o grau de coxartrose ou artrose de quadril e sua evolução no indivíduo para poder classificá-la?

Quanto a determinação do grau de artrose coxofemoral, o mesmo pode ser avaliado com a utilização de duas escalas principais: 

Primeiramente, temos a escala de Womac, um questionário de qualidade de vida tridimensional (dor, rigidez articular e atividade física), específico para a avaliação de pacientes com osteoartrose.

Escala de Womac para avaliação da osteoartrite de quadril (coxartrose)

Posteriormente, também podemos utilizar a escala de Kellgren-Laurence, que, diferentemente da escala de Womac que avalia principalmente a sintomatologia e suas correlações, a classificação de Kellgren e Lawrence valoriza a presença ou não de osteófito.

Escala de Kellgren-Laurence

Tabela utilizada para avaliação dos graus de comprometimento articular

Agora você deve estar se perguntando: mas o que fazer quando apresento um quadro de coxartrose? Tem cura?

A coxartrose tem cura, porém, dependendo da sua classificação, pode depender de  recurso mais agressivo, como a artroplastia do quadril. Porém, se tratada precocemente, a fisioterapia consegue melhorar muito a qualidade de vida do paciente e muitas vezes, deixá-lo assintomático.

Na fisioterapia são utilizadas técnicas que visam a descompressão da articulação, liberação da musculatura do quadril e ganho de arco de movimento sem dor. 

O fortalecimento muscular também é muito importante para a estabilização da articulação, diminuindo os atritos entre as extremidades ósseas, porém, devemos nos lembrar de evitar exercícios com carga em cadeia cinética fechada, como agachamento, por exemplo. 

Mais importante do que o tratamento, com certeza, é a prevenção da sua evolução, através de medicação adequada, mas principalmente, controle do peso e exercício físico orientado. 

Tratamento e reabilitação do paciente com coxartrose:

O tratamento fisioterapêutico para casos de artrose, como por exemplo, o da coxartrose aqui abordado, passa por exemplo por:

  1. Utilização de uma série de aparelhos com objetivos anti-inflamatórios, por exemplo, o ultrassom e o laser;
  1. Termoterapia – calor ou frio; (A eleição da utilização do calor ou frio vai depender do estágio e manifestação do paciente, podendo estar em fase aguda ou crônica)
  1. Técnicas manuais para alongamentos e mobilização articular (essas são as principais armas da fisioterapia no tratamento das doenças articulares e que tem evoluído muito, que são as conhecidas terapias manuais); 
  1. Reforço muscular através de exercícios sem ou com pouca carga, como a hidroginástica ou bicicletas.

E quanto às medicações normalmente utilizadas?

É claro que a utilização de qualquer medicação vai depender de avaliação e prescrição médica, sendo vedado a outros profissionais da saúde. 

Porém, a prescrição de medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios são frequentemente indicados para ajudar a controlar a dor e a inflamação local, além de reduzir o derrame articular associado e melhor a mobilidade da articulação.

Outros remédios muito usados para a artrose de quadril são os suplementos de sulfato de glucosamina e condroitina. Estes são componentes essenciais das articulações e podem estar diminuídos quando existe desgaste. 

A sua ingestão parece ser benéfica, pois consegue reduzir a quantidade de anti-inflamatórios necessários para o controle da dor, mas ainda são necessários muitos estudos e a melhora ou efeito varia muito de paciente para paciente.

Quanta coisa, não é mesmo?

Segue links para poderem estudar um pouco mais:

https://proffelipebarros.com.br/biomecanica-do-quadril/

https://proffelipebarros.com.br/principais-sindromes-e-disfuncoes-da-coluna-lombar/